Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia P próprio Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

próprio

Definition:
(gr. idion; lat. proprium; in. Proper; fr. Propre; al. Eigen; it. Próprio).

1. Uma determinação que pertence a toda uma classe de objetos, pertencendo sempre e somente a essa classe, mesmo que não faça parte de sua definição. Este é o sentido fundamental do termo, da maneira como foi esclarecido por Aristóteles (Top., I, 5, 102 a 18) e passou a fazer parte da tradição lógica (cf. Arnauld, Log., I, 7; Jungius, Logica hamburgensis, I, I, 33). Neste sentido, o próprio, apesar de não fazer parte da essência substancial de uma coisa, está estritamente conexo a essa essência ou deriva dela de algum modo. O exemplo aduzido por Aristóteles é o do aprendizado da gramática: esta determinação é próprio do homem, no sentido de que quem é capaz de aprender gramática é homem, e é homem quem é capaz de aprender gramática: as duas determinações "homem" e "capaz de aprender gramática" são reciprocáveis. Neste sentido, o próprio é uma determinação privilegiada que está entre a essência e as determinações acidentais.

2. No entanto, mesmo Aristóteles chama de próprias também as determinações acidentais ao fazer a distinção entre próprio por si, "que é estabelecido com relação a todos os objetos e separa o objeto em questão de qualquer outro (como no caso de ser próprio do homem ser um animal mortal que pode receber o saber)" e o próprio em relação a outra coisa, "que distingue o objeto apenas de algum objeto dado e não de qualquer outro objeto" (Top., V, 1, 128 b 34). O "próprio por si" é o próprio no sentido estrito, ou seja, a determinação sempre que pertence a todo o objeto dado, e somente a ele, enquanto o próprio "em relação a outra coisa" foi distinguido por Porfírio (com base nas mesmas considerações de Aristóteles) em outras três determinações: 1) aquilo que pertence a uma única espécie, mas não a todos os indivíduos da espécie (neste sentido ser filósofo é próprio do homem); 2) aquilo que pertence a todos os indivíduos de uma espécie, mas não a uma única espécie (ser bípede é próprio do homem); 3) aquilo que pertence a todos os indivíduos de uma única espécie, mas nem sempre (neste sentido, encanecer é próprio do homem). Porfírio enumerava como quarto significado o mais restrito (Isag., 12, 12 ss.). Os quatro significados de Porfírio foram habitualmente reproduzidos pela lógica medieval (cf., p. ex., Pedro Hispano, Summ. log., 2, 13), mas a partir da Lógica de Arnauld (I, 7), mesmo mencionando-se as quatro distinções de Porfírio, preferiu-se limitar o conceito de próprio ao mais restrito. Na realidade, em seu significado lato, o conceito de próprio pode incluir qualquer determinação, atribuída a qualquer título a um objeto, perdendo, assim, característica ou utilidade específica. Seja como for, a noção está estritamente ligada à da lógica aristotélica e à sua estreita vinculação com a teoria da substância, sendo por isso abandonada pela lógica contemporânea. [Abbagnano]

Submitted on 18.04.2011 12:11
This entry has been seen individually 1139 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project