Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
9 user(s) are online (9 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 9

more...
Home Léxico Filosofia I intelecto Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

intelecto

Definition:
(gr. nous; lat. intellectus; in. Understanding; fr. Intelligence, al. Verstand; it. Intellettó).

Este termo foi constantemente usado pelos filósofos com dois sentidos: 1) genérico, como faculdade de pensar em geral e 2) específico, como uma atividade ou técnica particular de pensar. Com este segundo significado, esse termo é entendido de três maneiras diferentes: d) como intelecto intuitivo; b) como intelecto operante; c) como entendimento, inteligência ou intelecção.

1) Platão e Aristóteles definem em geral o intelecto como faculdade de pensar. Platão de fato dá o nome de intelecto à atividade que pensa (Sof., 248e-249a) e, portanto, confere limites, ordem e medida às coisas (Fil., 30c; Tim., 48a); denomina pensamento (noesis) o conjunto da ciência e da dianoia, ou seja, as atividades superiores da alma contrapostas à conjectura e à crença, reunidas sob o nome de opinião (Rep., VII, 534a). Por sua vez, Aristóteles declara entender por intelecto "aquilo graças a que a alma raciocina e compreende" (Dean., III, 4,429a 23), significado genérico que já fora dado por Parmênides (Fr. 16, Diels) e por Anaxágoras (Fr. 12, Diels). É óbvio que todos aqueles que, como Anaxágoras, Platão e Aristóteles, atribuíram ao intelecto a função de ordenar o universo não o entenderam como atividade ou técnica específica, mas no significado mais genérico de atividade pensante, capaz de escolher, coordenar e subordinar. Mesmo a contraposição — tão frequente nos antigos e já presente em sua forma extrema em Parmênides (Fr. 8, Diels) — entre intelecto e sentidos implica atribuir ao intelecto o significado genérico de faculdade de pensar. Analogamente, a substancialização que o intelecto sofre no neoplatonismo é a da faculdade de pensar em geral, em todas as suas múltiplas formas (cf. p. ex., Plotino, Enn. III, 8, 9-10).

Esse significado genérico foi conservado na tradição filosófica até o Romantismo. Tomás de Aquino expressava-o contrapondo o intelecto aos sentidos: "O substantivo intelecto implica certo conhecimento íntimo; intelligere é como 'ler dentro' (intus legere). Isso é evidente a quem considera a diferença entre o intelecto e os sentidos: o conhecimento sensível concerne às qualidades sensíveis externas; o conhecimento intelectivo penetra até a essência da coisa" (S. Th., II, 2, q. 8, a. 1). Por outro lado, tem-se o mesmo significado genérico quando esse termo é contraposto à vontade, como acontece, p. ex., em Locke: "A capacidade de pensar é que se denomina intelecto, e a capacidade de querer é o que se denomina vontade: duas capacidades ou disposições da alma às quais se dá o nome de faculdade" (Ens., II, 6, 2). Leibniz, por sua vez, entendia por intelecto "a percepção distinta unida à faculdade de refletir, que não existe na alma dos animais" (Nouv. ess., II, 21, 5). Essa noção foi depois tomada por Wolff (Psychol. empírica, § 275). A definição de intelecto como "faculdade de pensar" é lugar comum no séc. XVIII; Kant só faz repeti-lo: "intelecto é a faculdade de pensar o objeto da intuição sensível" (Crít. R. Pura, Lógica, Intr., I) ou "o poder de conhecer em geral" (Antr., 1, § 6, 40).

Mas de repente, com o Romantismo, o intelecto deixa de ter valor de faculdade de conhecer em geral e descobre-se a "imobilidade" do intelecto. Essa descoberta é feita por Fichte: "O intelecto é intelecto só quando alguma coisa está fixada nele; e tudo o que se fixa fixa-se apenas no intelecto. O intelecto pode ser definido como a imaginação fixada pela razão, ou como a razão provida de objetos da imaginação. O intelecto é uma faculdade espiritual em repouso, inativa, é o puro receptáculo do que foi produzido pela imaginação e que a razão determinou ou ainda está para determinar" (Wissenschaftslehre, 1794, II, Dedução da representação, III, trad. it., p. 184). Mas foi por meio de Hegel que acabou prevalecendo em filosofia a noção de intelecto "imóvel", "rígido", "abstrato": "Como intelecto, o pensamento detém-se na determinação rígida e na diferença entre ela e as outras; para o intelecto, esse produto abstrato e limitado é autônomo e existente" (Enc., § 80). O intelecto é caracterizado pela imobilidade de suas determinações: ele "determina e fixa suas determinações" (Wissenschaft der Logik, Pref. à la edição, trad. it., p. 5). Essa imobilização é um falseamento, como se vê pela forma como o intelecto entende a relação entre infinito e finito, originando o "falso infinito". "O falseamento em que o intelecto incorre em relação ao finito e o infinito, que consiste em fixar como diversidade qualitativa a relação entre ambos, em afirmar, ao determiná-los, que são separados, e separados em absoluto, tem como base o esquecimento daquilo que para o próprio intelecto é o conceito desses momentos" (Ibid., I, I, seç. I, cap. 2, C., c, trad. it., I, p. 157). Dessa forma, "fixar" "imobilizar", "determinar em absoluto" são as operações que descrevem a atividade do intelecto, em contraposição à razão, atividade autêntica do pensamento que elimina a fixidez e a rigidez das determinações intelectuais, sendo capaz de fluidificá-las e relativizá-las. Essa contraposição torna-se lugar-comum em grande parte da filosofia do séc. XIX: o intelecto, portanto, desce de sua posição de faculdade de pensar e passa para a situação secundária ou subordinada de faculdade de pensamento abstrato, ou seja, de falso pensamento. A persistência desse lugar-comum, sem qualquer justificação séria, pode ser verificada pelo fato de que, no início do séc. XX, Bergson propôs (Evolução criadora, 1907) a crítica do intelecto considerado, segundo o esquema hegeliano, faculdade que tem por objeto específico o que é imóvel, inerte, rígido e morto, sendo, portanto, radicalmente incapaz de compreender o movimento e a vida. Dessa forma, substituía-se a contraposição hegeliana intelecto-razão pela contraposição intelecto-vida ou intelecto-consciência, que inspirou e ainda hoje inspira algumas manifestações da filosofia contemporânea. Todavia, mesmo fora dessas antíteses estereotipadas, a noção do intelecto como faculdade de pensar em geral não está presente na filosofia contemporânea, tendo sido substituída pela noção de pensamento ou razão .

2) O reconhecimento do significado genérico de intelecto pode ocorrer ou não em conjunto com o reconhecimento de um significado específico. Podem ser distinguidas três interpretações fundamentais da função específica do intelecto: à) intuitiva; b) operante, c) de entendimento ou inteligência.

a) A noção de intelecto intuitivo foi elaborada por Aristóteles. Para ele, além de ser geralmente a faculdade "graças à qual a alma raciocina e compreende", o intelecto é também uma virtude dianoética, ou seja, um hábito racional específico. Como tal, é a faculdade de intuir os princípios das demonstrações, que não podem ser apreendidos pela ciência — que é apenas um hábito demonstrativo — nem pela arte e pela sabedoria, que dizem respeito "às coisas que podem ser de outra forma", desprovidas de necessidade (Et. Nic, VI, 6, 1140b 31 ss.). Além dessas "definições primeiras", o intelecto também tem a tarefa de intuir "os termos últimos", ou seja, os fins aos quais deve subordinar-se a ação (Ibid., VI, 11, 1143b). Ao lado da ciência, o intelecto constitui a sabedoria, "que é ao mesmo tempo ciência e intuição das coisas mais excelsas por natureza" (Ibid., VI, 7, 1151b 2), o por isso a mais alta realização do homem.

Essa função específica do intelecto, de intuir os princípios comuns do raciocínio, foi admitida por Tomás de Aquino (S. Th., I, q. 8, a. 1) e por muitos outros escolásticos, ao lado da função genérica "pensar". Kant, por sua vez, fazia a distinção explícita entre intelecto no sentido genérico e intelecto como faculdade específica que está ao lado do juízo razão. Dizia: "A palavra intelecto também é entendida em sentido mais particular quando o intelecto é subordinado, como membro de uma divisão, ao intelecto entendido em sentido mais geral, como faculdade superior de conhecer constituída por intelecto juízo e razão" (Antr., I, § 40). Nesse sentido específico, o intelecto é a faculdade de julgar, e o juízo que lhe compete é o juízo determinante, cujas leis constituem o objeto natural em geral (mais precisamente, a forma de tal objeto). Essas leis estão "prescritas apriori" ao intelecto, ou seja, dadas em seu funcionamento (Crít. R. Pura, Analítica dos conceitos, seç. I; Crít. do Juízo, Intr., § IV). Nesse sentido específico, como faculdade de julgar, o intelecto não é intuitivo no sentido de estar em relação direta com o objeto; aliás, é uma relação mediata com o objeto porque, enquanto juízo sobre uma representação, é, segundo a expressão de Kant, "a representação de uma representação". Mas é intuitivo no mesmo sentido em que é intuitivo o intelecto específico de Aristóteles: está em relação imediata com leis ou princípios fundamentais que entram na constituição e na organização da ciência e da estrutura de seus objetos. A diferença entre o ponto de vista de Aristóteles e o de Kant é que, para Aristóteles, o intelecto tem a função de formular os princípios primeiros utilizados pela ciência demonstrativa e de perceber a evidência deles; para Kant, ao cumprir a função de julgar, o intelecto põe em funcionamento os princípios que o constituem, mesmo sem necessidade de formulá-los explicitamente. Essas duas alternativas são as únicas historicamente presentes na interpretação do intelecto como faculdade intuitiva específica.

b) A concepção operante do intelecto foi apresentada por Bergson, que a enxertou no conceito romântico do intelecto entendido como faculdade de imobilizar. Deste ponto de vista, o intelecto é "a faculdade de fabricar objetos artificiais, em especial para fazer utensílios, e de variar indefinidamente sua fabricação" (Évol. créatr., 1911, 8a ed., p. 151). Portanto, é a solução de um problema que, numa outra linha evolutiva, levou ao instinto entendido como faculdade de utilizar instrumentos organizados. Devido à sua função operante, a inteligência tende a captar as relações entre as coisas, e não as próprias coisas; portanto, sua forma, e não a sua matéria; tem por objeto principal o sólido inorgânico, imóvel, e é caracterizada por uma incompreensão natural do movimento e da vida (Ibid., p. 179). Essa análise de Bergson influenciou muito a filosofia contemporânea, cujas correntes espiritualistas e idealistas utilizaram frequentemente suas conclusões para afirmar que "o intelecto abstrato" é, quando muito, eficaz no domínio da ciência, que também é conhecimento "abstrato", mas que pouco ou nada vale no domínio da consciência efetiva, que seria o filosófico. Mas também fora do âmbito dessas intenções denegridoras que envolvem o intelecto e a ciência, a função operante do intelecto, graças à qual ele é a capacidade de enfrentar com sucesso as situações biológicas, sociais, etc. nas quais o homem se encontre, acabou caracterizando o próprio intelecto, sendo, portanto, difícil ver nele, hoje, um órgão de funções puramente teóricas. O pragmatismo certamente contribuiu para a formação deste ponto de vista, que se tomou lugar-comum da filosofia contemporânea.

c) No terceiro significado específico de intelecto, ele significa entendimento, sendo mais apropriadas, além de "entendimento", as palavras inteligência e intelecção (em italiano, intelligenza; em francês, entendement; em alemão, Verstehen). Essa acepção do termo, por sua vez, pode ser articulada em dois significados:

a) Um significado comum e genérico, em que "entender" significa apreender o significado de um símbolo, a força de um argumento, o valor de uma ação, etc. Em todos estes casos, a palavra exprime a possibilidade de efetuar corretamente determinada operação. P. ex., o entendimento de um signo consiste na possibilidade de estabelecer corretamente (com base no uso ou em regras devidas) a referência entre o sinal e seu referente. O entendimento de um argumento consiste na possibilidade de interligar suas partes de tal forma que o argumento se torne probante, etc. Nestes casos, há tanta diversidade entre os vários significados de entendimento quanto entre os objetos e as situações às quais se faz referência. Em geral, tudo o que pode ser dito desse ponto é que o entendimento designa certa capacidade de inserir-se no contexto de tais situações e de orientar-se nele.

b) Um significado mais restrito e específico, no qual entendimento significa a compreensão de certo tipo de objetos, como p. ex. de um homem ou de uma situação histórica. Para tal significado do termo, v. compreender. [Abbagnano]

Submitted on 03.09.2010 12:31
This entry has been seen individually 9989 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project