Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia E energia Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

energia

Definition:
(in. Energy; fr. Energie; al. Energie; it. Energia).

1. Qualquer capacidade ou força capaz de produzir um efeito ou de realizar um trabalho. Nesse sentido energia é sinônimo de atividade e de força; fala-se de "energia espiritual", "energia material", "energia nervosa", "energia física", etc.

2. Como conceito físico, entende-se por energia a capacidade de realizar um trabalho; por trabalho, entende-se o deslocamento do ponto de aplicação de uma força. Esses conceitos só foram claramente formulados na primeira metade do séc. XIX. No entanto, a distinção entre energia potencial (ou de posição) e energia cinética (ou de movimento) deve-se a Leibniz, que em 1686 a exprimia numa dissertação intitulada Demonstratio erroris memorabilis Cartesii, como a distinção entre força viva e força morta. Leibniz considerava a força viva igual ao produto do "corpo" (massa) pelo quadrado da velocidade: fórmula que depois foi corrigida, passando-se a considerar a força viva igual ao semi-produto da massa pelo quadrado da velocidade.

A segunda guinada conceitual importante na evolução da noção de energia ocorre em meados do séc. XIX, com a descoberta do princípio de conservação da energia (ou primeiro princípio da termodinâmica) por Mayer (1842) e Joule (1843), que estabelece a equivalência entre energia mecânica e calor. Essa equivalência demonstrava que o calor é uma forma de energia, por conseguinte, o conceito de energia extrapolava o domínio mecânico. A generalização foi feita por Helmholtz na sua famosa dissertação Sobre a conservação da força (1847). A ele se deve o uso do termo energia, que antes se confundia com força; considerou também como energia qualquer entidade que possa ser convertida em outra forma e caracterizou a energia como indestrutível, pois comporta-se como qualquer outra substância: não pode ser criada nem destruída. Deste ponto de vista, os cientistas começaram a falar de numerosas formas de energia: magnética, elétrica, química, acústica, etc, e a energia passou a ser a segunda substância da física, já que a primeira é a matéria. Todavia, tanto em ciência quanto em filosofia tentou-se reduzir também a matéria à energia constituindo-se o energismo.

A terceira guinada conceitual importante dessa noção ocorreu com a teoria da relatividade e com a mecânica quântica. Com a redução da matéria à densidade de campo, o dualismo entre as duas substâncias tradicionais da física clássica perdeu sentido. Por um lado, portanto, parece que a ciência acolheu o princípio do energismo, pois a matéria deixou de ser uma substância em si mesma, mas, por outro lado, pode-se dizer que o próprio energismo foi descartado, pois o conceito fundamental já não é de energia, mas de campo, e qualquer distinção qualitativa entre matéria e energia ou matéria e campo perdeu importância (cf. A. Einstein-L. Infeld, The Evolution of Physics, III; trad. it., pp. 251 ss.). [Abbagnano]

Submitted on 05.03.2010 01:07
This entry has been seen individually 1042 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project