Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia I idealismo alemão Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

idealismo alemão

Definition:
Esta expressão serve para designar uma das potentes irrupções do pensamento na arena filosófica da humanidade. Num período de apenas quarenta anos (entre 1790 e 1830) desenvolve-se um movimento intelectual de riqueza e profundidade sem par. Apresenta-se como idealismo, na medida em que, para ele, ser e ideia coincidem, com o que renova, a seu modo, o platonismo. Caracteriza-o como idealismo alemão o fato de ser determinado pela filosofia moderna e sobretudo por Kant. Seus principais representantes são Fichte, Schelling e Hegel. A despeito das profundas diferenças que os separam nos pormenores, concordam eles em dois traços fundamentais: a primazia da razão ou do espírito e o movimento dialético. A razão é a ideia das ideias e o fundamento primitivo absoluto, que se põe a si mesma e em si mesma põe tudo o mais como momentos evolutivos ou manifestações suas; está, portanto, essencialmente sujeita ao devir. O movimento dialético, em que deve também ser levado a cabo o nosso pensamento se, filosofando, quiser realizar a verdade absoluta, traduz o curso recorrido pelo devir. Três são os momentos que entram em jogo neste movimento: a tese, princípio não desdobrado, ainda quiescente; a antítese, entranhada naquele princípio, que o põe em movimento (da "dicção" se separa a "contra-dicção"); a síntese, que reduz ambos os contrários, à sua mais profunda unidade. Este movimento compreende inúmeros degraus, porque toda síntese aparece, por seu turno, como tese num plano superior. Sirvamos-nos da explicação seguinte, para esclarecer esta marcha triádica: uma verdade parcial produz, em virtude de sua unilateralidade, o seu contrário igualmente unilateral; só a compensação e complementação de ambas as não-verdades dão em resultado a verdade propriamente tal ou plena, a qual, por sua vez, de um ponto de vista ulterior, se torna em verdade parcial.

Este fundo básico comum aparece em Fichte (1762-1814) como teoria, da ciência. Elaborada primeiramente em sua obra capital "Fundamento da teoria da ciência" (1794-1795), foi sucessivamente aperfeiçoada, transformada e conduzida a suas esferas de aplicação. Partindo de Kant, Fichte pretende superar a cisão que naquele existe entre o teorético e o prático, entre a consciência e a coisa em si. Por isso coloca tm posição central o Eu prático com sua liberdade, deven-do-se entender por tal o eu puro, que se comporta, perante o eu empírico, como o fundamento primitivo geral perante sua manifestação particular. Como atuação pura, o Eu põe-se a si mesmo na intuição intelectual e põe tudo o mais no movimento dialético. Éste resulta do fato de o Eu, para se desdobrar, necessitar da resistência de uma barreira; por isso coloca, em frente de si, o Não-Eu. Ao Eu prático subordina-se o Eu teorético, porque o mundo dos objetos só se esboça como material da obrigação moral. Posteriormente, Fichte, considerando o Eu mais acentuadamente do ponto dc vista do homem, reduziu-o à razão absoluta, que aparece então como fundamento primitivo de cunho vincadamente panteísta.

Schelling (1775-1854), começando por ser expositor da teoria da ciência e essencialmente influenciado pelo romantismo, cria seu sistema próprio, que sucessivamente submete a importantes variações. Cinco são os períodos que nele geralmente se distinguem. Em primeiro lugar, elabora a filosofia da natureza, a qual, mercê da primazia do ético propugnada por Fichte, pouco se tinha desenvolvido. A natureza é inteligência inconsciente cjue tende à autoconsciência, através da abundância de suas formas. O idealismo transcendental apresenta então o espírito em sua vida consciente, e, com isso, a inclusão da história e da arte assinala nova ascensão acima da posição de Fichte. Encaradas estas duas fases como tese e antítese, a filosofia da identidade constitui a síntese correspondente; no Absoluto ou na Razão absoluta, como indiferença total, são superadas todas as diferenças (inclusive a de natureza e espírito). No atinente ao método, propugnava Schelling a intuição intelectual, que se desdobra segundo o princípio da polaridade ou do movimento dialético e inclui a primazia do estético. Schelling pretende, com sua doutrina da liberdade e sua filosofia da religião, superar o panteísmo contido em todas as doutrinas precedentes. Outorga ao mundo certa substantividade, porque só assim são possíveis a liberdade e a religião. Intimamente relacionada com esta afirmação doutrinal é a derradeira fase da filosofia positiva, que Schelling opõe à filosofia negativa de Hegel. À consideração do essencial acrescenta a do existencial, completando assim a razão e a essência universal com a vontade e com a existência concreta. Aproveita, outrossim, as experiências da consciência religiosa no mito e na revelação e aspira a harmonizar o saber com a fé. Apesar de tudo, os dois últimos períodos continuam lastrados pelo panteísmo primitivo e só pouco a pouco seus geniais esboços chegam a alcançar eficácia histórica (filosofia da existência).

Pela amplidão da matéria e rigor do método, Hegel (1770-1831) representa o ponto culminante do idealismo alemão. Assim o mostram suas obras capitais. "Fenomenologia do espírito" (1807), "Lógica" (1812-1816) e "Enciclopédia" (1817), nas quais se defende a primazia do pensamento. O fundamento primordial mais íntimo é a ideia que, no saber absoluto, se eleva a ideia absoluta e, em marcha necessária, desdobra todas as realidades como manifestações de si mtsma. Expõe Hegel este processo de duas maneiras: a fenomenologia (doutrina do "fenômeno", do "que aparece") conduz ao saber absoluto através dos fenômenos, dentro do saber absoluto o sistema propriamente dito move-se desde o ser indeterminado até à profusão de suas formas. Neste sistema, a lógica visa o ser pré-cósmico da ideia, a filosofia da natureza visa o ser-fora-de-si da ideia, e a filosofia do espírito visa o ser-permanecendo-em-si da ideia. Este compreende três estádios: o espírito subjetivo no sujeito humano individual, o espírito objetivo nas formas reais existentes da comunidade (direito, eticidade, história) e o espírito absoluto que na arte, na religião e na filosofia, se volve sobre si mesmo. — Do ponto de vista do método, Hegel leva o movimento dialético à sua perfeição. A filosofia da reflexão, que elabora suas arbitrárias "reflexões" por sobre os contrários unilaterais, é superada por ele mediante a absorção dos mesmos, absorção que não os extingue mas os conserva em sua unidade mais elevada. As expressões em si, para si e em e para si, correspondem â tese, a qual "em si", ou seja, em forma não desdobrada, é já todas as coisas; à antítese, na qual os contrários se afirmam "para si", isto é, separados e, por isso, aparecem só Daquilo que eles são "para si"; e à síntese, que com a unidade dos contrários manifesta sua verdade, desdobrando no "para si" a oculta plenitude do "em si". — Enquanto Fichte e Schelling não formaram escola, houve um hegelianismo que se cindiu numa ala direita fiel ao mestre e numa ala esquerda que desc iiu no materialismo, não obstante, também o hegelianismo se extinguiu como escola propriamente dita, sobrevivendo tão-sò-mente no materialismo dialético.

Posteriormente continuou mantendo sua influência a doutrina hegeliana do Estado. O século XX, principalmente depois da primeira guerra mundial, assistiu a uma poderosa revivescência do pensamento hegeliano; muito embora um neo-hegelianismo, como corrente intelectual definida, não se tenha ainda imposto, é inegável que por toda a parte se percebe a profunda influência de Hegel.

No idealismo alemão empolga a grandiosa força construtiva, com que, segundo rigorosíssima lei, faz brotar de um único fundamento primordial a multiplicidade do real. Compreendeu outrossim, como talvez nenhuma outra corrente filosófica, a essência do espírito o sua significação metafísica, segundo a qual mesmo o corpóreo deve ser concebido a partir do espírito. Mas aqui se encontram também os limites deste idealismo. Segundo se nos afigura, seu erro básico reside na afirmação da primazia do devir sobre o ser, como salta à vista principalmente no princípio da Lógica de Hegel; o ser é apenas um momento parcial a par do nada, dentro da realidade propriamente dita, que é o devir. Como também o fundamento primordial absoluto está, consequentemente, sujeito ao devir, é imanente ao mundo do devir, e só pelo devir alcança o desdobramento de sua plenitude, encontramo-nos perante o panteísmo. Desse modo, o espírito primitivo divino chega à consciência de si mesmo unicamente no espírito do homem; pelo que, a mais elevada realização do saber humano coincide com o saber divino e o homem crê poder compreender exaustivamente no saber absoluto o processo do universo. De fato, porém, o homem perde-se numa construção ilusória, incapaz de justificar a substantividade do fundamento primordial infinito nem a do ser finito e que, além disso, não deixa espaço algum para a genuína liberdade. — O idealismo alemão começou a superar-se a si mesmo com Schelling na última fase deste filósofo, ao tender para a realidade integral. Esta ensina que a verdadeira natureza do espírito exige a transcendência do espírito infinito, o qual num ato livre criador produz essências finitas subsistentes, que nem por isso deixam de participar da nobreza do espírito e de Deus. — Lotz. [Brugger]

Submitted on 23.10.2008 18:00
This entry has been seen individually 20922 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project