Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
4 user(s) are online (4 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 4

more...
Home Léxico Filosofia P princípio de causalidade Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

princípio de causalidade

Definition:
O princípio (metafísico) de causalidade é um dos mais importantes princípios do conhecimento (princípios do conhecimento). Reveste-se de capital importância sobretudo na demonstração da existência de Deus (prova da existência de Deus) — Formulação do princípio de causalidade: a fórmula "nãoefeito sem causa" é inadequada, por ser tautológica. Também a fórmula "tudo o que começa a ser, tem uma causa" é, para nós, em muitos casos, inutilizável, porque o começo temporal de muitas coisas — especialmente do universo como um todo — dificilmente pode ser demonstrado com certeza por parte das ciências experimentais. Pelo que, é preferível a fórmula "todo ente contingente é causado" (contingência). "Ente'' deve aqui entender-se como "realmente existente"; "causado" significa mais exatamente originado, produzido por uma causa eficiente (VIDE causa). Portanto, o princípio diz que um ente, indiferente por sua essência para ser ou não ser, é um ente dependente; que tal ente deve seu ser à ação de outro — precisamente da causa —; que, por conseguinte, é "feito". A causa pode ser considerada como causa suficiente só no caso em que possua uma perfeição ontológica pelo menos igual à do efeito que por ela deve ser explicado.

O valor do princípio de causalidade deriva a priori os conceitos essenciais de contingente e de causado. A essência contingente exprime por si apenas a possibilidade (potência), não a realidade (o ato) de existir; portanto, é absolutamente incapaz de contribuir por si nalguma coisa para sua própria realização, necessitando por isso do auxílio de outro que, por sua parte, exista realmente, e independentemente deste contingente, e que, mediante sua ação, seja para ele causa do ser. — No que tange à peculiaridade lógica do princípio de causalidade, muito discutida, tem sido a questão de saber se ele é um princípio "analítico" ou "sintético" (princípios do conhecimento). Os defensores de seu caráter analítico pretendem muitas vezes dizer apenas que ele estriba numa inteleção apriórica resultante da comparação dos conceitos e que, por conseguinte, enuncia uma necessidade essencial incondicionada. Ambas as afirmações são exatas. Mas, se devem chamar-se analíticos apenas aqueles juízos em que o predicado apresenta uma parte do conteúdo do conceito do sujeito, em tal caso o princípio de causalidade não pode ser chamado analítico, porque o ser causado não é co-pensado (nem está incluído) no conceito de contingente; portanto, neste sentido, o princípio de causalidade é "sintético a priori". Pelo que nem por uma demonstração indireta pode ser reduzido ao princípio de contradição, se for posta a exigência de que a redução só deve ser feita mediante a análise dos conceitos. Sobre a relação do princípio de causalidade com o de razão suficiente (princípio da razão suficiente).

Um caso particular do princípio de causalidade é o chamado princípio de movimento, eme remonta a Aristóteles: tudo o que se move (= se muda ou modifica) é movido (modificado) por outro (Quid quid movetur, ab alio movetur). Neste princípio exige-se uma causa para a mudança — para a modificação ou variação em ordem a uma maior plenitude do ser, em ordem à perfeição (trânsito da potência ao ato), e diz-se, além disso, que dita causa — ao menos parcialmente — deve ser buscada noutro ente diferente daquele que muda, e que, por conseguinte, este não se basta a si mesmo para desdobrar suas disposições. A razão disso é que o inferior em perfeição ontológica, inferioridade implicada inicialmente no ente submetido à mudança, não é causa suficiente para produzir o que tenha perfeição ontológica superior. — Distinta do princípio metafísico de causalidade é a lei física de causalidade (lei de causalidade), a qual se circunscreve aos processos do mundo corpóreo e exige para a natural explicação dos mesmos uma causa que produza com necessidade física o processo em questão. Da consideração exclusiva desta causalidade natural deduz-se que a expressão "processo causal" muitas vezes é sinônima de "processo necessário". O princípio metafísico de causalidade, pelo contrário, deixa em aberto a possibilidade de uma causa que atue com liberdade. — De Vries. [Brugger]

Submitted on 19.10.2008 21:42
This entry has been seen individually 19015 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project