Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia R reflexão Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

reflexão

Definition:
(in. Reflection; fr. Réflexion; al. Réflexion; it. Riflessioné).

Em geral, o ato ou o processo por meio do qual o homem considera suas próprias ações. Este conceito foi determinado de três maneiras, a saber: 1) como conhecimento que o intelecto tem de si mesmo; 2) como consciência; 3) como abstração.

1) Mesmo não empregando o termo reflexão, Aristóteles admite o fato óbvio de que o intelecto "pode pensar-se" (De an., III, 429, b 9). Os escolásticos expressaram esta possibilidade com o termo "reflexão". Tomás de Aquino diz: "Ao refletir sobre si mesmo, o intelecto entende, conforme essa reflexão, tanto o seu entender quanto a espécie por meio da qual entende" (S. Th., I, q. 85, a. 2). Desse modo, atribui à reflexão uma função específica porque o intelecto, cujo objeto é o universal, só pode entender o particular refletindo sobre si mesmo e considerando aquilo de que abstrai o universal (Ibid., I, q. 86, a. 1). Os escolásticos, porém, não consideravam a reflexão como fonte autônoma de conhecimento. Isso só acontece com Locke.

2) Com Locke inicia-se o conceito da reflexão como consciência. Segundo Locke, a segunda das duas fontes principais (a primeira é a sensação) de onde o intelecto aufere suas ideias é a reflexão, entendida como "percepção das ações exercidas por nossa alma sobre as ideias que recebeu dos sentidos: tornando-se o objeto das reflexão da alma, essas ações produzem na inteligência uma outra espécie de ideias, que os objetos exteriores não poderiam ter fornecido; tais são as ideias daquilo que se chama perceber, pensar, duvidar, crer, raciocinar, conhecer, querer, etc." (Ensaio, II, 1, 4). Além disso, Locke também chama a reflexão de sentido interno, nada mais sendo, então, que consciência, nome com que foi frequentemente chamada pelos filósofos ingleses posteriores. A definição de Vauve-nargues, "reflexão é o poder de dobrar-se sobre as ideias, de examiná-las, de modificá-las ou de combiná-las de maneiras diferentes: ela é o grande princípio do raciocínio, do juízo, etc." (Intr. à la connaissance de l'esprit humain, 1746, I, 2), bem como a de Leibniz, "a reflexão nada mais é que a atenção àquilo que está em nós, enquanto os sentidos não nos dão inteiramente o que já temos em nós" (Nouv. ess., Avant-propos), têm o mesmo significado: a reflexão é consciência. Era exatamente com este termo que Kant a definia: "A reflexão (reflexio) não visa aos objetos em si para chegar aos conceitos deles; é o estado de espírito em que começamos a dispor-nos a descobrir as condições subjetivas que nos permitem chegar aos conceitos. Ela é a consciência da relação entre as representações dadas e as várias fontes de conhecimento" (Crítica da Razão Pura, Anal. dos Princ, Anfibolia dos conceitos da reflexão). Além disso, Kant distinguia a reflexão lógica, que é o simples confronto das representações entre si, da reflexão transcendental, dirigida para os objetos, que contém "a razão da possibilidade da comparação objetiva das representações entre si. O objeto da reflexão transcendental, portanto, são os conceitos de identidade-diversidade, de concordância-posição, de interior-exterior, de matéria-forma, que representam o fundamento de qualquer possível confronto entre as representações" (Ibid.). O caráter ativo e criativo da reflexão, que traz à luz a verdadeira natureza daquilo que se investiga, e portanto produz tal natureza de algum modo, foi um dos pontos fundamentais da filosofia de Hegel: "Uma vez que, na reflexão, se obtém a verdadeira natureza, e esse pensamento é minha atividade, essa verdadeira natureza é do mesmo modo produto do meu espírito, isto é, do meu espírito como Sujeito pensante, de mim na minha simples universalidade, como Eu que é por si mesmo, da minha liberdade" (Enc., § 23). Maine de Biran também atribuiu à reflexão uma função metafísica: "Chamo de reflexão a faculdade que o espírito tem de perceber, num grupo de sensações ou numa combinação de fenômenos, as relações comuns de todos os elementos com uma unidade fundamental: p. ex.: de vários modos ou qualidades com a unidade de resistência, de vários efeitos diferentes com uma mesma causa, de modificações variáveis com o mesmo eu ou sujeito, etc." (Fondements de la psychologie, ed. Naville, II, p. 225). Não é muito diferente o significado que Husserl lhe atribui quando afirma: "Toda cogitatiopode tornar-se objeto da chamada percepção interna e depois objeto de uma avaliação reflexa, de aprovação ou desaprovação, etc." (Ideen, I, § 68). Neste sentido, a reflexão é aquilo que Husserl chama de percepção imanente, que constitui unidade imediata com o percebido, sendo a própria consciência (Ibid., § 68). Husserl distinguiu também a reflexão natural, que se realiza na vida comum, da reflexão fenomenológica ou transcendental, feita através da epoché universal quanto à existência ou à não-existência do mundo (Cart. Med., § 15).

3) O terceiro conceito de reflexão considera-a como abstração, mais precisamente como abstração falseadora; esse conceito pertence ao idealismo romântico. Começou com Fichte, que viu na reflexão o ato com que o eu se considera limitado pelo objeto: "O Eu tem em si a lei de refletir sobre si mesmo como algo que preenche o infinito. Mas não pode refletir sobre si mesmo e, em geral, sobre nada, se aquilo sobre que reflete não é limitado. Portanto, o cumprimento desta lei é condicionado e depende do objeto" (Wissenschaftslehre, 1794, § 8). Como esclarecia Schelling, neste sentido a reflexão é uma abstração, porque leva a separar o objeto do Eu do próprio Eu, enquanto, na realidade, o objeto não passa de produto do Eu. "Essa separação entre ato e produto, no uso ordinário da linguagem, chama-se abstração. Portanto, como primeira condição da reflexão tem-se a abstração" (System des transzendentalen Idealismus, III, época III, I; trad. it., p. 179). Quanto a Hegel, ao mesmo tempo em que exaltava (como se viu) a reflexão como atividade que não só traz à tona, mas também produz a natureza racional das coisas que investiga, considerava falseador o intelecto reflexivo. "Por intelecto reflexionante ou reflexivo deve-se entender, em geral, o intelecto abstrator, portanto separativo, que persiste em suas separações. Fazendo face à razão, esse intelecto comporta-se como o intelecto humano comum, ou senso comum, e impõe sua visão de que a verdade repousa na realidade sensível; de que os pensamentos são apenas pensamentos (no sentido de que a percepção sensível lhes dá substância e realidade) e de que a razão, que permanece em si e por si, nada produz além de sonhos" (WissenschaftderLogik, Intr.; trad. it., I, p. 27). Em outros termos, a reflexão caracteriza-se pela separação entre conceito e realidade, o que é uma falsa abstração; ao mesmo tempo, a razão caracteriza-se pela identidade entre conceito e realidade. Assim, para Hegel, a filosofia da reflexão é a do senso comum, cujo ápice está na filosofia de Kant, que afirma a incognoscibilidade da coisa em si.

Na filosofia contemporânea, esse termo é usado principalmente no segundo significado, sendo, portanto, sinônimo de consciência (nos sentidos 1 e 2 do verbete respectivo), introspecção, sentido interior, observação interior. [Abbagnano]


A atitude mental daquele que evita precipitação em seus juízos e impulsividade em sua conduta. — A reflexão designa, especificamente, a concentração através da qual o espírito esclarece suas ideias e analisa seus sentimentos. A reflexão psicológica, ou análise de si, denomina-se introspecção. Os filósofos da reflexão, Fichte e Hegel na Alemanha, Lachelier e Lagneau na França, pensam que a reflexão permite ao indivíduo apreender-se em sua unidade espiritual, aquém da mudança e de qualquer ação no mundo: a reflexão nos permitiria atingir uma certa experiência da eternidade (Fichte); Hegel denominou esse estado "vida especulativa", e Bergson identificou-o à experiência da "durée" ("duração"). A noção de reflexão pode, assim, ter um sentido psicológico e um sentido metafísico como intuição da realidade profunda do "eu" e do Espírito universal em nós. [Larousse]


Em sentido lato e pouco rigoroso, reflexão (1) significa meditação comparativa e examinadora, contraposta à percepção simples ou aos juízos primeiros e espontâneos sobre um objeto. Inclui-se aqui também a "reflexão ontológica", de que falam alguns escolásticos modernos, considerando-a como um re-dobrar-se ou volver-se para o objeto conhecido. Contudo, a reflexão ontológica, como método da metafísica, pode, outrossim, ser entendida num sentido mais preciso e profundo, na medida em que a operação mental que do ente abstrai o ser (como objeto peculiar do saber metafísico) (abstração) significa, ao mesmo tempo, uma volta do espírito à sua essência mais íntima. — Esta volta (reflexio = reflexão) é o sentido próprio do vocábulo. Assim, reflexão (2) designa, antes de mais nada, um voltar-atrás (um re-dobrar-se) da atenção, que desde os objetos exteriores, que são os primeiros conhecidos na atitude natural, se dirige à atividade psíquica própria e ao modo de existência que a tais objetos corresponde só enquanto objetos desta atividade. O conceito de reflexão é, pois, afim do conceito de consciência. Contudo, à simples consciencialização dos atos próprios, à "consciência concomitante", com razão não se dá ainda o nome de reflexão, mas só recebe este nome a atenção explícita a tais atos e ao sujeito dos mesmos, ao eu. Escolásticos modernos há que designam também esta reflexão como intenção segunda, em contraposição à ação de dirigir o olhar para os objetos externos, considerada como intenção primeira. Na escolástica clássica, estas expressões designam, não o ato de se volver para o objeto ou para o ato próprio, mas sim o conceito que se forma, em virtude dessa volta; intenções primeiras são, por conseguinte, os conceitos abstraídos dos objetos da intuição; intenções segundas são os conceitos formados em virtude da reflexão, conceitos de reflexão; denominam-se preferentemente intenções segundas os conceitos formados em virtude da reflexão lógica. Com efeito, importa distinguir entre a reflexão psicológica, ou seja, a reflexão dirigida aos atos próprios e ao eu, e a reflexão lógica, dirigida ao modo (abstrato) de pensar e às relações lógicas dadas com ele, correspondentes aos objetos só enquanto pensados; estes formam as "intenções segundas", que constituem o objeto da lógica e são, enquanto tais, só entes de razão, p. ex., a subordinação dos conceitos segundo gêneros e espécies (predicáveis). A expressão "consciência reflexa" usa-se, às vezes, como sinônimo de reflexão; em sentido estrito, denota, não a pura consideração dos atos próprios, mas sua peculiar expressão mental num conceito (conceito de reflexão) ou juízo (juízo de reflexão, juízo consciência!). A reflexão, particularmente na perfeição que obtém na consciência reflexa, pertence apenas à inteligência, ao passo que a simples consciencialização dos atos próprios compete também à sensibilidade. — De Vries. [Brugger]


A definição usual de reflexão - compreendida num sentido puramente psicológico - é de abandono da atenção ao conteúdo intencional dos atos para se voltar sobre os próprios atos. A reflexão seria, de acordo com isto, uma espécie de inversão da direção natural ou habitual dos atos, com o que se criariam as condições necessárias para a reversão completa da consciência e a consecução da consciência de si mesmo. Já nesta concepção estão implícitos, todavia, multitude de problemas que transbordam a fronteira da psicologia. evidente que, embora qualificada de psicológica, a reflexão do sujeito sobre os atos inclui uma ideia da consciência e do problema do conhecimento que não pode limitar-se em todos os casos à psicologia. Na verdade, é o problema do conhecimento que permite uma análise completa de todas as questões relacionadas com os atos reflexivos. Isto aconteceu sobretudo na ideia de reflexão sustentada por Locke e Hume: O primeiro define a reflexão como sentido interno, como algo contraposto essencialmente à sensação; a reflexão significa, por isso, “aquela notícia que o espírito adquire das suas próprias operações, e do modo de as efetuar, em virtude do que chega a possuir ideias destas operações no entendimento”.

Operações que é preciso compreender num sentido amplo, não apenas como ações da mente sobre as suas ideias, mas também como alguma espécie de paixão surgida delas. Por meio da reflexão adquirem- se, segundo Locke, as ideias ou representações gerais. Por sua vez, Hume classifica as impressões em duas categorias. Sensações e reflexões.. As sensações surgem, segundo ele, originariamente da alma por causas desconhecidas. Quanto às reflexões, “derivam em larga medida das nossas ideias, e isto do seguinte modo: uma impressão bate primeiramente nos sentidos e faz-nos aperceber calor ou frio, sede ou fome, prazer ou dor, de uma espécie ou outra. Desta impressão surge uma cópia tomada pelo espírito que permanece depois de a impressão desaparecer. A isto chamamos ideia. Quando volta à alma, esta ideia de prazer ou dor produz as novas impressões de desejo e aversão, esperança e temor, que podem ser chamadas propriamente impressões de reflexão, porque derivaram dela. Estas são copiadas pela memória e pela imaginação e convertem-se em ideias, que talvez deem origem por sua vez a outras impressões e ideias. De modo que as impressões de reflexão são apenas antecedentes das suas correspondentes ideias, mas consequentes das impressões de sensação, e derivadas delas.” (TRATADO). Ainda quando nenhum conhecimento era possível, segundo Locke e, sobretudo Hume, sem referência à impressão originada, nenhum destes filósofos tentou desenvolver uma teoria radicalmente reducionista da reflexão, e as suas análises desta foram antes de tipo fenomenológico. Em contraposição, alguns outros conceberam a reflexão como essencialmente redutível à sensação ou, melhor dizendo, ao ato de atenção à sensação, surgido por sua vez de sensações.. As dificuldades psicológicas e, sobretudo, gnoseológicas postas pelo problema da reflexão foram recolhidas por Kant, que chama reflexão à “consciência da relação entre as representações dadas e as nossas diferentes fontes de conhecimento”; daí o trânsito da reflexão transcendental, pela qual se determina a origem sensível ou intelectual da comparação das representações dadas.

Pode advertir-se, pelo que se disse, que, além de o conceito de reflexão incluir quase sempre variadíssimas questões pertencentes a várias esferas, o seu significado costuma variar grandemente de acordo com o predomínio dado por cada filósofo a uma esfera determinada. Em rigor, a significação do conceito adota, conforme os casos, uma rotação preponderantemente metafísica, lógica, psicológica, ou gnoseológica-transcendental. Assim, por exemplo, a concepção da reflexão adotada pelo idealismo pós-kantiano, e em particular por Fichte, é de índole quase exclusivamente metafísica: a reflexão é então a posição do Eu sobre si próprio. Qualquer coisa de semelhante acontece com Hegel. Este trata a reflexão na doutrina da essência. A reflexão surge quando uma aparência fica como que alienada da sua própria imediato.. Em vez da pura imediatez da coisa dão-se na reflexão relações não imediatas. A reflexão apresenta algo diferente algo diferente do que transparece diretamente da coisa, e como este algo, na medida e que relaciona e fundamenta a coisa, é essência, a doutrina da reflexão é, como atrás apontamos, parte da doutrina da essência. A reflexão equivale, em Hegel, em grande parte, a relação ou a sistema de relações.. As categorias da reflexão são por isso categorias relacionais.. A reflexão pode ser reflexão proponente, reflexão exterior e reflexão determinante... A reflexão proponente é a meramente relacional e, por isso, relativa, mas trata-se de uma relação fundamental. A reflexão exterior é a que constitui o ponto de partida para a determinação da coisa como essência. A reflexão determinante é a síntese das reflexões proponente e exterior e é a base para quaisquer ulteriores determinações da coisa - as chamadas por Hegel determinações reflexivas, tais como a identidade, a diferença, a oposição, etc.

A fenomenologia tem feito também um largo uso do conceito de reflexão, especialmente Husserl tentou concebê-lo, por assim dizer, neutralmente como o conjunto de atos que tornam evidentes as vivências. A reflexão husserliana não é, portanto, meramente uma reflexão psicológica interna, mas uma operação que inclui a apreensão imanente das essências. [Ferrater]

Submitted on 16.05.2011 20:53
This entry has been seen individually 17172 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project