Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
5 user(s) are online (5 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 5

more...
Home Léxico Filosofia T teleologia Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

teleologia

Definition:
(in. Teleology; fr. Téléologie; al. Teleologia; it. Teleologià).

Este termo foi criado por Wolff para indicar "a parte da filosofia natural que explica os fins das coisas" (Log., 1728, Disc. prael, § 85). O mesmo que finalismo. [Abbagnano]


(do gr. telos, fim, e logos, estudo), estudo da finalidade. — Há duas maneiras de considerar a história humana, por exemplo: ou a consideramos a ordem das causas, seu passado; ou a consideramos em função de seu objetivo; essa última consideração é "teleológica". As noções de finalidade e teleologia foram analisadas na Crítica do juízo de Kant: o "juízo teleológico" só tem um uso objetivo quando se trata de refletir-se sobre um organismo ou uma obra de arte; porque, somente nesses dois casos, as partes são compreendidas a partir do todo: da mesma maneira que os órgãos só têm sentido a partir do funcionamento geral do organismo, os elementos de uma obra de arte reúnem-se para promover uma forma global que constitui a qualidade estética da obra. A explicação teleológica a partir do todo contrapõe-se à explicação mecanista, que se focaliza inicialmente nas partes. (V. finalidade.) [Larousse]


O termo teleologia foi empregado no século dezoito com o fim de exprimir o modo de explicação baseado em causas finais , diferentemente do modo de explicação baseado em causas eficientes. Apelamos para a causa final ou teleológica quando, ante uma entidade ou processo. perguntamos: “para quê?” Apenas o nome é moderno; a própria ideia é antiga e o que é fundamental nela pode encontrar-se já em Platão e Aristóteles. É muito frequente chamar causalismo ao modo de explicação por causas eficientes e teleologismo (ou finalismo) ao modo de explicação por causas finais. Quando se reduz a causa eficiente à causa mecânica o causalismo chama-se mecanicismo e a oposição estabelece-se entre o mecanicismo e o teleologismo. Utilizaram-se tais oposições com grande frequência na interpretação de pensamentos filosóficos: contrapuseram-se os pensamentos de Anaxágoras, Platão, Aristóteles, escolásticos, etc, considerados como teleologistas, aos pensamentos de Demócrito, Descartes, Espinosa, considerados como causalistas e às vezes mecanicistas. Além disso, interpretaram-se outros sistemas (como o de Leibniz), como ensaios de concordância entre o causalismo e o teleologismo, na medida em que admitiram uma finalidade íntima no mesmo encadeamento causal de todos os fatos. Só se pode admitir tais interpretações na medida em que as consideramos aproximadas: os sistemas causalistas oferecem outras caraterísticas e os teleologistas não rejeitam de nenhum modo a existência de causas eficientes.

Enquanto alguns filósofos insistiram na impossibilidade de prescindir do conceito de teleológico para explica certos fenômenos da natureza, outros tentaram reduzir o teleológico ao causal. Este redução deu-se de várias maneiras: alguns indicaram que a explicação teleológica não é mais que uma explicação causal que utiliza o conceito de intenção; outros observaram que a noção de teleologia é puramente metódica, que de modo algum denota uma relação real; outros finalmente assinalaram que os conceitos teleológicos são interinos, quer dizer, que são se utilizam enquanto não se descubram as conexões causais correspondentes. A maior parte das posições adotadas têm o defeito de não atender suficientemente ao fato que um conceito de causa, e em articular o de cadeia causal, não ser alheio às concepções teleológica..

No que se refere aos diferentes campos aos quais se aplica a noção de teleológico é preciso assinalar a diferença de sentido que se estabelece quando se aplica aos processos da natureza ou aos atos dos homens. Neste último caso, o problema da teleologia envolve o da liberdade; no primeiro caso, pode-se conceber o teleológico como uma forma especial de determinação - a determinação desde o fim. Mesmo quando é perigosa a fusão dos dois conceitos, podemos admiti-la quando se apresenta como uma síntese ente e o natural - mecânico e o ético-livre; isto é o que Kant tentou na crítica do juízo, ao submeter à análise a noção de finalidade para descobrir o princípio do juízo teleológico da natureza em geral como sistema de propósito e, sobretudo, para chegar ao conhecimento do propósito final da natureza. Deste modo pode falar-se de um princípio teleológico como princípio interno da ciência natural, pois não se abandona a ideia do mecanicismo das causas. Kant também enfrenta os problemas postos pela dialéctica do juízo teleológico. Com efeito, aqui aparece a antinomia surgida destas afirmações: 1. Todas as coisas naturais foram produzidas por leis meramente mecânicas; 2. Não é possível nenhuma produção de coisas materiais por leis meramente mecânicas. Segundo Kant, a antinomia não se pode resolver e poderíamos concluir que um propósito natural é inexplicável. Mas na medida em que analisamos o comportamento humano e a sua compreensão da realidade observamos que nele se podem unir o princípio do mecanicismo universal da natureza com o princípio teleológico da natureza, sempre que admitamos que o princípio unificador é de caráter transcendente. O juízo teleológico não pertence nem à ciência natural nem à teleologia; é apenas um tema da crítica do juízo. Prova Teleológica: Esta é uma das provas clássicas da existência de Deus e foi aceite por maior número de filósofos e teólogos que a prova ontológica. Entende-se esta prova em dois sentidos: física e metafisicamente. Fisicamente consiste numa demonstração da existência de Deus com base na ordem deste mundo, na harmonia do cosmos. Metafisicamente, a prova teleológica consiste numa demonstração da existência de Deus fundamentada na passagem do movimento à causa do movimento e do contingente ao necessário. Na crítica da razão pura, Kant examinou a demonstração da existência de Deus por meio da finalidade da natureza e quis mostrar que os argumentos oferecidos fracassaram pela impossibilidade de passar do mundo fenomênico ao mundo numênico. O Deus em que desembocariam tais elementos, assinala Kant, seria, no máximo, uma espécie de demiurgo, não o Deus criador, omnipotente a que se referem os que usaram a prova. Kant reconhece no entanto que tal prova tem muita força de convicção e por isso tem sido usada com tanta frequência. Um dos seus pontos de partida é a ideia de que o mundo é um signo ou código do mundo invisível e, em último termo, o criador do mundo visível. [Ferrater]

Submitted on 19.05.2011 17:19
This entry has been seen individually 18010 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project