Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (6 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 6

more...
Home Léxico Filosofia A a priori Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

a priori

Definition:
Com esses dois termos (a priori e a posteriori) foram designados os elementos das três distinções seguintes: 1) a distinção entre a demonstração que vai da causa ao efeito e a que vai do efeito à causa; 2) a distinção entre os conhecimentos que podem ser obtidos com a razão pura e os conhecimentos que podem ser obtidos com a experiência; 3) a distinção entre tautologias e verdades empíricas.

1) A primeira distinção, que remonta à escolástica, liga-se à distinção aristotélica entre "o que é anterior e mais conhecido para nós" e "o que é anterior e mais conhecido por natureza", distinção que Aristóteles assim esclarecia: "Dizendo anterior e mais conhecido em relação a nós, pretendo referir-me ao que está mais perto da sensação; dizendo, porém, anterior e mais conhecido absolutamente, pretendo referir-me ao que está mais longe da sensação". E como os objetos mais distantes da sensação são os mais universais, ao passo que os mais próximos dela são os singulares, aquilo que é primeiro absolutamente, ou por natureza, é precisamente o universal (An. post., 1, 2, 72 a 1 ss.). A partir de Alfarabi, a filosofia árabe havia formulado a distinção entre a demonstração propter quide a demonstração quia, que Alberto da Saxônia depois chamou, respectivamente, de demonstrações a priori e demonstrações a posteriori. "A demonstração é dupla", diz Alberto; "uma é a que vai das causas ao efeito e chama-se demonstração a priori, ou demostração propter quid, ou demonstração perfeita, e dá a conhecer a razão pela qual o efeito existe. A outra é a demostração que vai dos efeitos às causas e chama-se demonstração a posteriori, ou demonstração quia, ou demonstração não perfeita, e dá a conhecer as causas pelas quais o efeito existe" (An. post., I, q. 9). Com esse sentido, ambos os termos são usados durante toda a escolástica e até o séc. XVII, para indicar duas espécies de demonstração.

2) A partir do séc. XVII, por obra de Locke e do empirismo inglês, os dois termos adquirem significado mais geral: a priori passa a designar os conhecimentos que podem ser obtidos mediante o exercício da razão pura e a posteriori, ao contrário, os que podem ser obtidos pela experiência. Hume e Leibniz estão de acordo em contrapor, nesse sentido, a priori e a posteriori. Diz Hume: "Ouso afirmar, como proposição geral que não admite exceção, que o conhecimento da relação de causa e efeito não é, em nenhum caso, alcançado pelo raciocínio a priori, mas surge inteiramente da experiência, quando descobrimos que certos objetos particulares estão constantemente unidos a outros" (Inq. Cone. Underst, IV, 1). E Leibniz contrapõe constantemente o "conhecimento a priori" ao "conhecimento por experiência" (Nouv. ess., III, 3, S 15; Monad., § 76) e "a filosofia experimental, que procede a posteriori", à razão pura", que "justifica a priori' (Op., ed. Erdmann, p. 778 b). Wolff exprimia, com sua costumeira clareza, o uso dominante em seu tempo dizendo: "O que aprendemos com a experiência, dizemos conhecer a posteriori; o que sabemos pelo raciocínio dizemos conhecer apriori' (Psychol. emp., §§ 5, 434 ss.).

A noção kantiana de a priori, como conhecimento independente da experiência, mas não precedente (no sentido cronológico) à própria experiência, é, sob certo aspecto, a mesma de Leibniz e dos wolffianos. "Existem", dizia Leibniz, "ideias que não nos vêm dos sentidos e que encontramos em nós sem formá-las, ainda que os sentidos nos deem ocasião de apercebê-las" (Nouv. ess., I, 1, § 1). Kant deu mais rigor a essa noção, distinguindo os conhecimentos a priori puros, que, além de não dependerem absolutamente de nenhuma experiência, são desprovidos de qualquer elemento empírico. P. ex., acrescentava ele, a proposição "Toda mudança tem sua causa" é uma proposição a priori, mas não é pura, porque mudança é um conceito que só pode ser extraído da experiência (Crít. R. Pura, intr., 1). Mas a originalidade da noção kantiana está na função atribuída a a priori, que não constitui um campo ou domínio de conhecimentos à parte, mas a condição de todo conhecimento objetivo. A priori é a forma do conhecimento, assim como a posteriori é o conteúdo. Em a priori fundam-se os conhecimentos da matemática e da física pura; mas o a priori por si mesmo não é conhecimento, mas a função que condiciona universalmente qualquer conhecimento, tanto sensível quanto intelectual. Os juízos sintéticos a priori são, com efeito, possíveis, em virtude das formas a priori da sensibilidade e do intelecto. O a priori é, para Kant, o elemento formal, isto é, ao mesmo tempo o que condiciona e fundamenta todos os graus do conhecimento; e não só do conhecimento, já que também no domínio da vontade e do sentimento subsistem elementos a priori, como demonstram a Crítica da Razão Prática e a Crítica do Juízo. A noção kantiana de a priori foi adotada ou pressuposta por boa parte da filosofia moderna. O Idealismo romântico corrigiu-a no sentido de admitir que todo o saber é apriorístico, isto é, inteiramente produzido pela atividade produtiva do Eu. Assim pensaram Fichte e Schelling. Hegel julgava que o pensamento é essencialmente a negação de um existente imediato, logo, de tudo o que é a posteriori ou se baseia na experiência. O a priori é, ao contrário, a reflexão e a mediação da imediação, isto é, a universalidade, o "estar o pensamento em si mesmo" (Enc., § 12). Mais frequentemente, na filosofia moderna, o apriori conserva o significado kantiano. E a tal significado se vincula, apesar de todas as diferenças, a noção de a priori material de Husserl. Essa noção está ligada à das ontologias regionais, pois, segundo Husserl, "por conhecimentos sintéticos a priori deveriam ser entendidos os axiomas regionais, de tal modo que haveria tantas classes irredutíveis de conhecimentos sintéticos apriori, quantas são as regiões" (Ideen, I, § 16). Ora, regiões do ser são, p. ex., os conceitos de objeto material, consciência, animalidade, sociedade, etc; e os axiomas relativos a cada uma de tais regiões implicam a referência ao seu conteúdo específico e são, por isso, materiais.

3) Na filosofia contemporânea, a existência de um a priori no sentido kantiano ou hegeliano é quase sempre negada. Diz, p. ex., Reichenbach: "Não existe nada de semelhante à auto-evidência sintética; as únicas fontes admissíveis do conhecimento são a percepção sensível e a auto-evidência analítica das tautologias" ( The Theory of Probability, p. 372). Às vezes, defendeu-se uma "concepção pragmática" do apriori, pela qual ele consistiria sobretudo nos conceitos definitórios e nas estipulações convencionais de que se vale a ciência (cf. C. I. Lewis, "A Pragmatic Conception of the 'a priori'", em Readings in Philosophical Analysis, 1949, pp. 286 ss.). Mas, o mais das vezes, por a priori entende-se simplesmente o enunciado tautológico ou analítico e por a posteriori a verdade empírica (v. analiticidade). [Abbagnano]

Designa geralmente que numa série ordenada se passa de um elemento anterior (prius) a outro posterior, sendo indiferente eme dita série se processe ou não no tempo. Para que a expressão a priori seja unívoca, importa que se mantenha sempre fixa a ordem de sucessão e que se indique o elemento, relativamente ao qual uma coisa é designada anterior. Um elemento pode ser a priori ou anterior (em oposição a a posteriori) segundo uma ordem temporal (ontem — hoje), ontológica (causaefeito) ou lógica (premissa — conclusão). O a priori psicológico faz parte do a priori ontológico, e compreende as condições psíquicas por vias que determinam concomitantemente a direção da atenção e a formação do juízo. — Na lógica escolástica, denominam-se a priori as demonstrações que têm seu ponto de partida nalguma coisa ontologicamente anterior, que, portanto, concluem da causa para o efeito, da essência para as propriedades. Desde Kant chama-se o priori todo conhecimento, cuja validade independe logicamente da experiência (= percepção). Não se pretende com isto negar que tais conhecimentos dependam até certo ponto da experiência, no que diz respeito ao tempo e à origem dos mesmos. Por a priori gnoseológico ou teorético-cognoscitivo entende-se o complexo de todas as condições apriorísticas do conhecimento, na medida em que este, mediante aquelas, se torna objetivamente possível. Para designar esta mais ampla noção de a priori, Kant serve-se do vocábulo transcendental. O a priori gnoseológico compreende as condições de validade do conhecimento; o a priori psicológico, as de existência. — Segundo Kant, a validade dos conhecimentos apriorísticos estriba em que, mediante eles, se fundamenta e possibilita a experiência (como série de conhecimentos universalmente válida e objetiva). Pelo que, o valor dos conhecimentos apriorísticos circunscreve-se ao domínio da experiência possível (criticismo). Pelo contrário, segundo a concepção escolástica, tem seu fundamento na intelecção das relações essenciais dos objetos. O valor absoluto de tal intelecção dentro da ordem ontológica radica, em última instância, no fato de ambos os domínios, tanto o subjetivo quanto o objetivo, se fundamentarem na mesma pura identidade do conhecimento e do ser, que caracteriza o espírito absoluto. Consequentemente, o valor objetivo das proposições apriorísticas, a despeito de dependerem geneticamente da experiência, estende-se para além desta e é absolutamente ilimitado. — A expressão a priori perde seu valor, quando empregada na acepção de "antecedentemente à crítica" = acrítico. Em tal caso, é preferível substituí-lo pelo termo "apriorístico". — Brugger.




Embora na antiguidade e na idade média se tenha tratado o problema a que se refere esta expressão, a questão do a priori começa a ser tratada com toda a amplitude na época moderna. Um caso disso é constituído pela filosofia de Descartes. Não há neste nenhuma doutrina formal do a priori, mas a sua noção de ideia inata (Meditações Metafísicas. Os Princípios da Filosofia), aproxima-se da concepção moderna de - ideia a priori. Locke, em contra partida, faz uma crítica ao inatismo, que pode equiparar-se a uma crítica de qualquer elemento a priori no conhecimento.

Uma distinção entre tipos de conhecimento que leva à concepção de um a priori encontra-se pela primeira vez apenas em Hume e Leibniz. A distinção proposta por Hume - Investigação - de “todos os objetos da razão ou investigação humana” em relações de ideias e fatos equivale a uma distinção entre enunciados analíticos e sintéticos, respectivamente - v, analítico e sintético. Os enunciados analíticos são inteiramente a priori; não procedem da experiência nem podem dizer nada sobre a experiência ou sobre “os fatos”. Limitam-se a constituir a base de raciocínios meramente formais e descobrem-se mediante a “mera operação do pensamento”, podendo comparar-se a regras de linguagem. Por sua vez Leibniz distingue entre verdades de razão e verdades de fato. As primeiras são eternas, inatas e a priori, ao contrário das verdades de facto, que são empíricas, atuais e contingentes. “A razão— escreve Leibniz—é a verdade conhecida cuja ligação com outra verdade menos conhecida nos faz dar o nosso assentimento a esta. Mas, de modo particular, e por excelência, chama-se razão se for a causa não só do nosso juízo, mas também da própria verdade, a qual se chama também razão a priori, e a causa nas coisas corresponde à razão nas verdades. (Teodiceia). Deve ter-se, todavia, em conta que a aprioridade bem como o carácter inato das verdades de razão, não significa que estas estejam sempre presentes na mente; as verdades de razão e a priori, em rigor, aquelas que se devem reconhecer como evidentes quando se apresentam a um espírito atento.

Apesar das diferenças existentes entre a filosofia de Hume e a filosofia de Leibniz, estes autores são unânimes num aspecto: em que os enunciados a priori são analíticos e não sintéticos. Mas enquanto para Hume isso é consequência do seu carácter meramente linguístico, para Leibniz é resultado da sua preeminência sobre a experiência.

É diferente a concepção de a priori defendida por Kant. Os conceitos e as proposições a priori têm de ser pensadas com carácter de necessidade absoluta. Mas não por serem todos meramente formais. Se o fossem, haveria que desistir de formular proposições universais e necessárias relativas à natureza. A universalidade e a necessidade dessas proposições seria então apenas a consequência do seu carácter analítico. Por outro lado, os conceitos da razão não podem aplicarse à realidade em si e muito menos servem como exemplos ou paradigmas dessa realidade; qualquer metafísica baseada em meros conceitos de razão transcende a experiência e resulta numa pura imaginação racional, logo, não sintética. Kant considera que o conhecimento a priori é independente da experiência, ao contrário do conhecimento a posteriori que tem a sua origem na experiência (Crítica da Razão Pura). “Toda a mudança tem uma causa” Não é, para Kant, uma proposição absolutamente a priori, porque a noção de mudança procede da experiência. não deve entender-se a independência da experiência meramente em sentido psicológico; O problema de que Kant se ocupa na crítica da razão pura não é o da origem do conhecimento (como em Locke e em Hume), mas o da sua validade. Ora, Kant admite que pode haver juízos sintéticos a priori. O a priori não é, pois, sempre apenas analítico. se o fosse, nenhum conhecimento relativo à natureza poderia constituir-se em ciência. Mem sequer o senso comum pode prescindir de modos de conhecimento a priori. Perguntar se há juízos sintéticos a priori na matemática e na ciência da natureza, equivale a perguntar se estas ciências são possíveis, e como o são. A resposta de Kant é afirmativa em ambos os casos, mas isso deve-se a que o a priori não se refere às coisas em si (v. coisa), mas às aparências (v. aparência). Os elementos a priori condicionam a possibilidade de proposições universais e necessárias. Em contra partida não há na metafísica juízos sintéticos a priori porque o a priori não se aplica aos noumena (v. númeno).

A doutrina kantiana foi ao mesmo tempo criticada e elaborada pelos idealistas alemães pós-kantianos. Exemplo desta dupla atitude é a atitude de Hegel. Por um lado, Hegel aceita a concepção do a priori enquanto admite (pelo menos ao expor a doutrina de Kant) que a universalidade e a necessidade devem criar a priori, isto é, na razão (Lições sobre a História da Filosofia). Por outro lado, Hegel considera que as expressões a priori e “sintetizar”, usadas por Kant são vagas e até vazias (Lógica). [Ferrater]

Submitted on 06.01.2010 12:58
This entry has been seen individually 10896 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project