Login
Username:

Password:

Remember me



Lost Password?

Register now!
Main Menu
Search
Who is Online
6 user(s) are online (6 user(s) are browsing Léxico Filosofia)

Members: 0
Guests: 6

more...
Home Léxico Filosofia A arte Léxico Filosofia
Browse by letter
All | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | Other

arte

Definition:
Kunst

Heidegger elabora suas visões acerca da arte em interação com Nietzsche, em cujo livro póstumo Vontade de poder ele encontrou cinco proposições sobre arte (GA6, 82ss/N1, 69ss; 162ss/N1, 138ss): 1. A arte é a forma mais transparente e familiar da vontade de poder. 2. A arte deve ser compreendida em função do artista. 3. A arte é, a partir de um conceito de artista ainda mais vasto, o evento básico de todos os entes; enquanto os entes forem, eles serão algo que cria a si mesmo e que é criado. 4. A arte é o contramovimento distintivo por oposição ao niilismo. 5a. A arte é aquilo que mais estimula a vida, e/ou 5b. A arte vale mais do que a verdade. Heidegger rejeita 2: Nietzsche ignora a primazia da obra (GA6, 138/N1, 117s). Ele inicialmente acha que 4 está em desacordo com a explicação fisiológica da arte dada por Nietzsche (GA6, 109ss/N1, 92ss), mas modifica este veredito interpretando a fisiologia como algo que não envolve separação de corpo e mente, "como se um estado corporal habitasse o andar térreo e um sentimento o andar de cima" (GA6, 118/N1, 98; cf. 148f/N1, 126s). Seu maior desacordo com Nietzsche aparece em 5. A verdade, para Nietzsche, é o retrato acurado do estado de coisas em curso relativamente a categorias rígidas e conceitos. A arte "transfigura a vida, conduzindo-a a possibilidades mais elevadas, ainda não vividas, que não pairam ‘acima’ da vida, mas desperta-a a partir de si mesma novamente para a vigília, pois ‘Apenas através da magia pode a vida permanecer acordada’ (Stefan George, "Der neue Reich")" (GA6, 567s/N3, 81). Embora tanto a verdade quanto a arte sejam necessárias para a vida, Heidegger concorda que a arte seja superior à verdade no sentido nietzschiano de verdade (GA6, 635s/N3, 140). Porém, a noção nietzschiana de verdade é demasiadamente tradicional, e ele mantém o contraste platônico entre arte e verdade (GA6, 179/N1, 153; NI, 250/N1, 217; NU, 12/N3, 165). Estritamente, ou, originariamente, verdade não é correspondência ao fato, mas àquilo que Nietzsche diz que a arte proporciona: a descoberta de um reino de novas possibilidades. [DH]

[...] Encarada em sua essência, a arte é uma sagração e um refúgio, a saber, a sagração e o refúgio em que, cada vez de maneira nova, o real presenteia o homem com o esplendor, até então, encoberto de seu brilho a fim de que, nesta claridade, possa ver, com mais pureza, e escutar, com maior transparência, o apelo de sua essência. [GA7 39]


Enquanto o que é produzido pelo artesanato e pela arte, por exemplo, o cálice de prata, não possui o eclodir da pro-dução em si mesmo mas em um outro (en allo), no artesão e no artista.

Assim, os modos do deixar-viger, as quatro causas, jogam no âmbito da pro-dução e do pro-duzir. É por força deste último que advém a seu aparecimento próprio, tanto o que cresce na natureza como também o que se confecciona no artesanato e se cria na arte.

Mas como é que se dá e acontece a pro-dução e o pro-duzir, seja na natureza, seja no artesanato, seja na arte? O que é a pro-dução e o pro-duzir em que jogam os quatro modos de deixar-viger? O deixar-viger concerne à vigência daquilo que, na pro-dução e no pro-duzir, chega a aparecer e apresentar-se. [GA7, pag. 16]


De um lado, techne não constitui apenas a palavra do fazer na habilidade artesanal, mas também do fazer na grande arte e das belas-artes. A techne pertence à pro-dução, a poiesis, é, portanto, algo poético. [GA7, pag. 17]


Outrora, chamava-se também de techne a pro-dução da verdade na beleza. Techne designava também a poiesis das belas-artes.

No começo do destino ocidental na Grécia, as artes ascenderam às alturas mais elevadas do desencobrimento concedido. Elas faziam resplandecer a presença dos deuses e o encontro entre o destino de deuses e homens. A arte chamava-se apenas techne. Era um des-encobrir-se único numa multiplicidade de desdobramentos. A arte era piedade, promos, isto é, integrada na regência e preservação da verdade.

As artes não provinham do artístico. As obras de arte não provocavam prazer estético. A arte não era setor de uma atividade cultural.

Mas, então, como era a arte? Talvez somente por poucos anos, embora anos sublimes? Por que a arte tinha o nome simples e singelo de techne? Porque era um des-encobrir pro-dutor e pertencia à poiesis. O último desvelo, que atravessa toda arte do belo, era poiesis, era poesia. [GA7, pag. 36]


É o poético que leva a verdade ao esplendor superlativo que, no Fedro, Platão chama de to ekphanestaton, "o que sai a brilhar da forma superlativa". O poético atravessa, com seu vigor, toda arte, todo desencobrimento do que vige na beleza.

Será que as belas-artes são convocadas ao desencobrir poético? Será que o desencobrimento há de reivindicá-las mais originariamente para que fomentem, por sua parte, o crescimento do que salva, para que despertem e instaurem em nova forma, a visão e a confiança no que se concede e outorga?

Ninguém poderá saber se está reservada à arte a suprema possibilidade de sua essência no meio do perigo extremo. Mas todos nós poderemos nos espantar. Com o quê? Com a outra possibilidade, a possibilidade de se instalar por toda parte a fúria da técnica até que, um belo dia, no meio de tanta técnica, a essência da técnica venha a vigorar na apropriação da verdade. [GA7, pag. 37]


A arte nos proporciona um espaço assim. Mas somente se a consideração do sentido da arte não se fechar à constelação da verdade, que nós estamos a questionar.

Questionando assim, damos testemunho da indigência de, com toda técnica, ainda não sabermos a vigência da técnica, de, com tanta estética, já não preservarmos a vigência da arte. Todavia, quanto mais pensarmos a questão da essência da técnica, tanto mais misteriosa se torna a essência da arte. [GA7, pag. 37]

Submitted on 12.03.2012 13:23
This entry has been seen individually 490 times.

Bookmark to Fark  Bookmark to Reddit  Bookmark to Blinklist  Bookmark to Technorati  Bookmark to Newsvine  Bookmark to Mister Wong  Bookmark to del.icio.us  Bookmark to Digg  Bookmark to Google  Share with friends at Facebook  Twitter  Bookmark to Linkarena  Bookmark to Oneview  Bookmark to Stumbleupon Bookmark to StudiVZ



Powered by XOOPS © 2001-2012 The XOOPS Project